DELIM GÁS

DELIM GÁS

7 de abril de 2016

Brasil de Todas as Telas investe mais R$ 1,9 milhão

A Agência Nacional do Cinema (Ancine) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE)divulgaram quatro projetos contemplados com investimentos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), selecionados em três chamadas públicas do Programa Brasil de Todas as Telas que funcionam em fluxo contínuo. Na operação, que soma R$ 1,9 milhão, foram beneficiados dois longas-metragens de ficção para as salas de cinema e dois telefilmes documentais para veiculação na TV por assinatura.

Pela Chamada Prodecine 03/2013, que disponibiliza recursos para a fase de comercialização da obra nos cinemas, foi selecionado o longa Fome, de Cristiano Burlan. Já pelo Prodecine 04/2013, o longa-metragem O banquete, novo trabalho da diretora Daniela Thomas, obteve investimentos na complementação de recursos para viabilizar a produção.

Dois projetos de teor documental ligados à música também foram contemplados nesta operação pela Chamada Pública Prodav 01/2013: os telefilmes Som, sol & Surf, de Gustavo Ribeiro; e Clara estrela, de Susanna Lira e Rodrigo Alzuguir. O primeiro conta a história de um festival de rock em Saquarema, no litoral fluminense, em 1976, e o segundo celebra a vida e a carreira da cantora Clara Nunes. Ambos têm previsão de exibição pelo Canal Curta.

Sobre o Programa Brasil de Todas as Telas


Lançado em julho de 2014, o Programa Brasil de Todas as Telas foi moldado para atuar na expansão do mercado e na universalização do acesso às obras audiovisuais brasileiras. O Programa, uma ampla ação governamental que visa transformar o Brasil em um centro relevante de produção e programação de conteúdos audiovisuais, foi formulado pela Ancine em parceria com o MinC e com a colaboração do setor audiovisual por meio de seus representantes no Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual.

O Programa Brasil de Todas as Telas – Ano 2 foi lançado no dia 1º de outubro, no Rio de Janeiro, em cerimônia com a presença do ministro da Cultura, Juca Ferreira, garantindo a continuidade de uma política pública vigorosa para o audiovisual brasileiro.

O Fundo Setorial do Audiovisual é um marco na política pública de fomento à indústria cinematográfica e audiovisual no País, ao inovar quanto às formas de estímulo estatal e à abrangência de sua atuação. Isso porque o FSA contempla atividades associadas aos diversos segmentos da cadeia produtiva do setor – produção, distribuição/comercialização, exibição, e infraestrutura de serviços – mediante a utilização de diferentes instrumentos financeiros, tais como investimentos, financiamentos, operações de apoio e de equalização de encargos financeiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário