DELIM GÁS

DELIM GÁS

15 de abril de 2017

Os EUA adoram pegar uma "certa": Tensão entre EUA e Coreia do Norte pode estar perto de ponto de não retorno

Folha de São Paulo - A tensão entre Coreia do Norte e EUA está chegando a um ponto de não retorno, alerta a China. Após quase 64 anos de ameaças de lado a lado, sempre mais virulentas por parte da dinastia Kim, será a hora do tira-teima?


Em favor do "sim" como resposta, há um fator novo na equação: Donald Trump.

Desde que rasgou sua promessa de isolacionismo ao atacar o governo sírio na semana passada e explodir sua maior bomba não nuclear sobre algumas dúzias de terroristas do Estado Islâmico no Afeganistão na quinta (13), parece ter descoberto as virtudes da "manu militari".

GUERRA


Qual o papel do Estado e dos cientistas em projetos de produção de armas
Ambas as ações serviram a dois propósitos. Primeiro, retiraram momentaneamente a atenção à crise contínua que seu governo vive: nada mobiliza mais os americanos do que uma guerra, ou algo parecido com isso.

Foram também demonstrações de força, ao gosto dos "falcões" do Pentágono. E hoje o regime mais hostil aos EUA é o da Coreia do Norte, como o sempre relutante Barack Obama disse a Trump ao passar o bastão do cargo.

A China, por sua vez, apreende os sinais, com as potenciais disputas com os americanos em águas que considera territoriais suas, ainda que Trump tenha se afastado do discurso contra Pequim.

Some-se a isso os esforços do ditador Kim Jong-un em acelerar seu programa de mísseis e buscar miniaturizar bombas nucleares para equipá-los. Seus modelos de alcance médio, se assim armados, podem pulverizar alvos sul-coreanos, japoneses e americanos na região.

Ao longo dos anos, estabeleceu-se um senso comum de que os Kim se passavam por loucos para assustar, mas que buscavam basicamente seguir no poder. Há a chance de essa hipótese expirar.
Esse consenso sempre foi o esteio do "não" à pergunta sobre a possibilidade de conflito. O regime quis a bomba atômica para evitar ser atacado e fazer barganhas, não para usá-la, diz o raciocínio.

O "não" tem outros argumentos sólidos, a começar pelo fato de que é desconhecida a real capacidade do regime de empregar artefatos nucleares –há indicações de que Pyongyang está próxima de ter um míssil capaz de levar a bomba até o alvo.

Sem essa capacidade dissuasória, contudo, tudo o que Kim pode fazer é blefar, apesar de seu Exército de 1,2 milhão de soldados.

Se Trump atacar de forma cirúrgica, irá convidar algum tipo de retaliação, convencional ou atômica, caso a ditadura tenha essa capacidade. A escalada seria imprevisível.

O americano só evitaria isso incapacitando os centros de comando e controle norte-coreanos, além de bases de lançamento de mísseis, o que implicaria ação custosa.

Uma coisa é disparar pontualmente mísseis sem autorização legal ou demolir cavernas remotas com superbombas em Estados falidos.

Até aqui, o pior que aconteceu foi a degradação da já ruim relação com a Rússia, protetora da ditadura síria. Não é pouco, claro, mas é menos do que iniciar uma guerra de verdade.