DELIM GÁS

DELIM GÁS

30 de maio de 2017

CARTÃO REFORMA: Famílias que tenham idosos, deficientes ou que a mulher seja a responsável terão prioridade

Pelo menos 51 municípios potiguares já tiveram seus cadastros pré-aprovados, após o 1º edital, junto ao Ministério das Cidades. Até o final do ano, mais dois serão abertos.

Com o Cartão Reforma, famílias de baixa renda que recebem até três salários-mínimos, o equivalente a R$ 2,8 mil, terão acesso ao crédito para reforma, ampliação, promoção da acessibilidade ou conclusão de obras.

O programa tem orçamento inicial de R$ 1 bilhão e a previsão do governo federal é de que cerca de 100 mil pessoas sejam beneficiadas nesta primeira fase. O limite de crédito concedido para a aquisição do material de construção será de R$ 5 mil, em média.

Para participar do programa, o beneficiário deverá ser proprietário do imóvel e morar no local onde será feita a reforma. Terão prioridade famílias cujo responsável seja uma mulher, que tenham idosos ou pessoas com deficiência como membro, além das famílias com renda baixa. O cartão tem validade de um ano, e é necessário utilizar no período de vigência. A execução da obra é de responsabilidade da família beneficiada.

O repasse da verba será feito pelo Ministério das Cidades, via Caixa Econômica Federal, que vai entregar o cartão para famílias selecionadas. Esses valores não são um financiamento, mas um benefício. As pessoas não terão de pagar prestação ou juros pelo uso do dinheiro.     

CAPACITAÇÃO

De acordo com o coordenador do Departamento de Desenvolvimento Social (DDS), da CEHAB, José Fernandes Amorim, que participou recentemente, de um treinamento sobre o funcionamento do Cartão Reforma, no Ministério das Cidades, os prefeitos potiguares tiveram a oportunidade de conhecer passo a passo as diretrizes e sistemática de operação na plataforma do programa de melhoria habitacional Cartão Reforma. “Foi de suma importância a participação de todos, pois esse conhecimento será repassado pelos gestores municipais aos seus quadros técnicos. A população, certamente, vai procurar o benefício junto às prefeituras”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário